Bem vindo

Sê bem-vindo e divirta-se, porque a vida é importante para ser compartilhada!

domingo, 1 de dezembro de 2013

Apresentação do curso de TIC

Alô teste, alô teste: testando um novo site de apresentação pra fugir da "máquina de dormir" do power point!
http://prezi.com/vuhzwlumueqa/?utm_campaign=share&utm_medium=copy

O julgamento errado


          


           Tudo começou em 1990, no Brasil, o nome dele era Enzo e o dela, Liza. Enzo sofria preconceito por ser muito magrinho, os dois eram colegas de quarto numa faculdade.
           No primeiro dia de aula da faculdade, Liza soube que iria dividir o quarto com Enzo e não com sua amiga Ana Paula, ficou furiosa e desde o primeiro dia de aula, passou a infernizar a vida de Enzo, todos os dias quando ele entrava na sala ela chamava-o de esqueleto, palito, desnutrido, fraquinho e muitas outras coisas ruins.
         Certo dia, enquanto Enzo estava no pátio, Liza começou a revirar as coisas dele, atrás de um diário que ela havia visto ele escrevendo, encontrou e no diário, Enzo havia revelado um segredo: era gay!
         Liza espalhou o segredo pela faculdade e todos riram dele. Quando Liza foi para o quarto, Enzo foi atrás para tirar satisfações:
Enzo diz bravo: - Por que você fez isso?
Liza respondeu rindo: - Não devo satisfações a um garoto magrela, gay e otário.
          Onde Enzo passava, todos gritavam insultos. Então, um dia decidiu não continuar com isso e foi para seu quarto, não aparecendo na aula. Liza foi até o quarto ver porque ele não havia ido. Chegando lá, levou um e deu um grito:
- Enzo fala comigo!
          Ela foi correndo até a diretoria e avisou que Enzo tinha se matado, ela e os outros preconceituosos sabiam que eram os culpados!
           Em 2012, Liza está na cama, assim como Enzo, morreu seca e muito magra, mas antes de morrer disse para sua filha:
- Nunca faça igual a mim, não julgue as pessoas por serem magras, gordas, baixas, gordas, nem pela cor da pele, mas sim pelo caráter. PORQUE SOMOS TODOS IGUAIS!

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Roteiro 3 - turma 83



   

   Há muitos anos atrás, havia um reino muito distante, onde as pessoas viviam sempre contentes, poucos eram os dias de tristeza.
     O rei e a rainha tinham uma filha muito bonita, ela tinha 15 anos mas não ficava muito em casa. Ela viva em outro país, numa escola interna, voltava para casa apenas em datas comemorativas, por isso o rei e a rainha ficavam muito sozinhos durante os dias. A rainha então decidiu que queria mais uma filha, mas como eles já estavam ficando mais velhos, uma gravidez à essa altura seria muito arriscado.
     A rainha, muito teimosa, mesmo assim queria ter uma filha, sentia muito falta da sua.        Então decidiu que iria adotar uma criança, já crescidinha. Foram em orfanatos, iam num e outro, mas nenhuma chamava a atenção da rainha. Já sem mais esperanças, foram no último, olharam, olharam, quando o rei já estava falando em ir para casa, a rainha vê, em meio ao monte de crianças brincando uma menininha, muito quietinha num canto, tão tristinha, coitada.
      A rainha foi falar com aquela menina, e ela num jeitinho tão doce, conversou com a rainha sem nem saber quem ela realmente era. Foi então que a rainha decidiu que iria adotar essa criança, mas a diretora do orfanato queria saber se ela realmente queria aquela criança, se ela não queria outra, uma mais alegre, mais diferente. Uma menina que fosse igual a eles. No inicio não entenderam, mas depois viram que a criança estava sofrendo preconceito da própria diretora.
      A rainha imediatamente quis adotar a criança e livrá-la de lá, pois ela devia sofrer muito.
       Eles a adotaram, colocaram a menina numa escola particular do reino deles mesmo, a menina se encantava cada vez mais com o palácio que agora seria dela também, com as pessoas, tão felizes, e ficava mais feliz e empolgada ao saber que teria uma irmã mais velha que ela.
        A menina se chamava Lilierem e tinha apenas 7 anos. Com o passar do tempo, a menina foi ficando cada dia um pouco mais triste, andava não querendo muito ir pra aula, mesmo sabendo que precisaria estudar para, no futuro ela e a irmã governarem todo o reino. O rei e a rainha acharam que isso era apenas fase, pois ela não estava acostumada com tudo isso, com toda essa vida de compromissos.
        O tempo foi passando e as férias de inverno chegaram logo, isso queria dizer que a filha mais velha do rei e da rainha viria passar em casa.
         Quando a filha mais velha, que se chamava Stephanie, chegou ao aeroporto, o rei e a rainha estavam a sua espera, e logo lhe falaram as novidades, contaram então da nova irmãzinha.
        Stephanie, que tinha um coração de ouro, e era muito bondosa como a mãe, achou super perfeito uma nova irmãzinha, e que foi adotada, pois estariam ajudando mais uma entre tantos que precisavam de uma família. Odiou a ideia de sua nova irmã ter sofrido racismo por sua diretora, e um possível racismo por suas coleguinhas.
       Quando chegaram em casa Lilierem já tinha chegado do colégio, e adorou conhecer sua irmã. As duas ficaram o resto do dia conversando, Stephanie contava tudo o que fazia na sua escola, e Lilierem ouvia com muita atenção e esperança de um dia ir pra lá e fazer as mesmas coisas que a irmã. Quando sua irmã lhe perguntou sobre a escola, ela falou pouco, disse que era legal, e normal como qualquer outra, não tinha nada de especial, e logo mudou de assunto.
      Stephanie ficou muito preocupada mas não comentou nada, apenas continuou notando o comportamento de Lilierem.
     Cada dia que elas ficavam mais juntas, Lilierem confiava mais na irmã, e certo dia, Stephanie lhe perguntou de suas amigas, do porquê não irem à casa deles. Ela então decidiu dizer tudo. E começou dizendo que não tinha muitas, que na verdade tinha apenas umas 3 que apenas davam Oi, e se tinham trabalhos em grupo elas até colocavam ela, mais não era nada de amizade forte. Que muitos lá não gostavam de ficar perto dela, que todos olhavam torto pra ela, e que cochichavam cada vez que ela passava, e que um menino até perguntou pra ela o que o rei e a rainha tinham na cabeça de adotá-la. Do porque ela foi tão especial a ponto de pessoas tão ricas adotarem. Que ela deveria estar junto com os pobres, que ela não era gente de ser da realeza, e ainda por cima era negra!
Lilierem começou a chorar relembrando de tudo isso, sua irmã não quis ficar quieta, decidiu que quando começassem as aulas iria  ao colégio.
       E foi. Falou com a diretora,  foi até a sala de sua irmã, chamou ela lá na frente pediu educadamente para ninguém mais fazer isso, e disso que preconceito era algo horrível.
Stephanie teve de ir embora para sua escola, mas Lilierem tinha que continuar ali, e o preconceito não acabou mesmo assim. O preconceito até aumentou.
      Certo dia, numa aula foi pedido um texto sobre o que se pensava sobre preconceito, sobre qualquer um deles. E Lilierem claro que escreveu sobre preconceito racial.
Quando foi ler, fez questão de ir lá na frente, e falou coisas muito bonitas. Ela disse:
O preconceito racial, é horrível, é horrível se sentir diferente, se sentir humilhado, sentir que ninguém te quer por perto. Quantas vezes tive vontade de sumir, de nunca mais voltar. Mas não desistia, porque tenho que estudar, não vou ser uma ignorante. Irei honrar meus pais. Sim, meus pais, eu posso ser adotada ser muito diferente deles, mas eles são meus pais. E querem saber o que eu penso mesmo? Que vocês tem inveja de mim, mas não pelos meus bens matérias, e sim, porque vocês queriam ter minha cor, vocês queriam se destacar dos outros tanto quanto eu, porquê? São todos da mesma cor, apenas outras coisas mudam. E sabe? Vocês me discriminam tanto, por nada, somos todos diferentes uns dos outros, até gêmeos idênticos não são totalmente iguais, sempre tem alguma coisinha que dá pra diferenciá-los. Só imaginem, como que seria o mundo se fossemos todos completamente iguais? Seria chato não seria? Então! Pra que esse preconceito feio? Nós vamos todos pro mesmo lugar, de baixo da pele temos as mesmas coisas.”
       E nisso a professora se emocionou, e até seus colegas, que dali em diante, todos começaram a tratá-la como gente, ela ganhou novos amigos, melhores amigos, e descobriu que não adianta se isolar, que tem que falar mostrar que isso magoa mas de um jeito educado. E viu que se ela tivesse falado tudo isso antes, tudo teria se resolvido antes, viu que ser princesa não era fácil não, e que mesmo sendo uma sofreu preconceito, o respeito que tinham, não tirou o porquê de sofrer preconceitos.

E dali em diante ela viveu feliz para sempre!

Princesa e o Dragão

      


        Era uma vez uma princesa negra que vivia em um mundo de dragões.
    Um certo dia ela foi comprar uma lingerie branca com cristais, ela chegou na loja e encontrou um dragão vendedor que era dragongirls ( que em nossos vocabulário significa gay ) e a princesa ficou constrangida, e o dragão ficou mais constrangido  ainda em saber que a princesa era negra, e não quis vender a lingerie.
        Ela voltou para o seu reino e chorou diamantes, seu pai o rei Arthur chegou ao seu quarto e viu que sua filha estava chorando então pediu que ela não chorasse por que custava caro, ela disse que ele tinha razão, ela não poderia gastar suas lágrimas de diamantes.
       No dia seguinte ela voltou a loja Dragon Armani e ele lhe pediu desculpas, mas ela orgulhosa, não aceitou, ele implorou o seu perdão e ela recusou.
        Em um sábado ela foi para uma baladinha monstra, colocou sua lingerie nova, seu vestido coladinho, seu salto alto, ficou deslumbrante, parecia uma princesa, chegando lá ela viu o dragão, estava de shortinho seu batom vermelho com sua bolsa da Lui Vuiton
        A princesa vendo aquela cena ficou com recalque e mandou o Dj soltar o tamborzão, ela dançou quadradinho de borboleta e o dragão com muita raiva dançou bate palme com o bumbum, o dragão ficou com muito preconceito por ela ser negra e dançar daquele jeito, a princesa muito chapada, tomou uma absolut, começou a dançar com o dragão, os dois piradinhos, e o Dj tocou piradinha do Gabriel Valim, elas dançaram até o final da festa, trocaram telefone e marcaram de sair mais vezes, elas viraram super amigos e deixaram o preconceito de lado . 

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Em busca da felicidade


  


     Em uma favela do Rio de Janeiro vivia uma família negra,muito unida e humilde. Eram 4 pessoas que moravam numa casa caindo aos pedaços mas muito bem organizada! Joana (mãe) , Paulo (pai) , Adriele (filha) e Pedro (filho) os 4 eram bem felizes apesar de que sofriam bastante por serem negros. Joana era uma mulher séria,trabalhadora,uma excelente mãe e uma esposa muito presente.
   Ela era empregada doméstica e não ganhava muito, mas dava para sobreviver, seu marido Paulo só trabalhava quando conseguia bicos para fazer como cortar grama e outros . Só com o dinheiro de Joana não dava para viver bem mas eles tinham uma vida saudável !!! Adriele e Pedro eram dois filhos maravilhosos em tudo, no colégio só tiravam notas boas e ajudavam muito em casa nas tarefas.Adriele tinha um sonho de ser BAILARINA e Pedro, JOGADOR DE FUTEBOL. A vida foi passando, os dias correndo feito água e a vida da família era sempre a mesma. Em uma certa manhã a família se reuniu para tomar café como faziam todos dias!
- Joana: Bom dia queridos, como foram de sono esta noite ?
-Adriele: Não consegui dormi muito bem !
-Pedro: Pois eu dormi que foi uma beleza !
-Joana:Oque houve minha filha que você não esta bem ?
-Adriele: AAAh , Mãe você sabe amanhã começamos na escola nova, e você sabe que não é nada fácil pois somos negros !!
- Paulo: Não fique assim filha vai dar tudo certo você vai ver ...
-Joana: é mesmo amanhã nós estaremos do ladinho de vocês para que nada aconteça!  No dia seguinte ... As crianças começam a se arrumar para a escola nova e Paulo e Joana também para acompanhá-los até lá. Chegando na escola algumas risadinhas começam , olhares diferentes , cochichos e piadinhas, Mas Joana diz a eles que nada vai os aborrecer. Se despedem de seus pais e seguem para aula de matemática do professor Kiko, Entram na sala e se sentam um ao lado do outro quietos, ali eles ficam. -Professor: Olá pessoal vejo aqui que temos gente nova
Alunos: Sim professor , (risadas) - kkkkkkkkkkk'
-Professor: Quietos todos! Como se chamam ?
              Pedro olha para Adriele e com uma cara de quem não sabe o que responder . 
-Adriele: Eu me chamo Adriele e ele Pedro!
-Alunos: Por acaso ele é mudo ?
- Pedro: Cala a sua boca mané.
-Professor: Chega , muito bem vamos para a aula !
            Horas se passam e logo chega o recreio, Quando Pedro sai da sala é empurrado por um garoto que corre e dá risadas.
- Adriele: Deixa ele, é só um pirralho mimado..!
           Do nada Adriele vê umas garotas falando sobre balé,ela fica muito interessada no assunto então vai até lá .
- Adriele: Oi. Como se chamam ?
-Garotas: Oi não é do teu interesse.
          Adriele fica quieta e vai saindo devagar, quando uma menina que estava no grupo vem atrás dela e começa a puxar assunto. Conversa vai, conversa vem, e no meio da história elas,viram amigas Pedro também achou um amigo branco que convidou-lhe para brincar de carrinhos. Os dias vão se passando e eles do mesmo jeito mas agora cada um com um amigo! A garota que se tornou amiga de Adriele se chama Bruna, e o garoto amigo de Pedro, Gabriel. Adriele descobre que Bruna faz balé e nos recreios elas só falam disso e até mesmo fazem alguns passos, Adriele conta para Bruna que seu sonho é ser bailarina como as que aparecem na tv Bruna diz o mesmo mas afirma que para se tornar uma, é bastante difícil !!
- Adriele: Será que você não conseguia uma vaga para mim na sua escola de balé?
 -Bruna: Será difícil pois você é negra. Mas juro que tentarei!
-Adriele: Obrigada;
          Na hora da saída, Paulo vem buscar os filhos e eles apresentam- no para seus amigos. Em casa Paulo conta para Joana e eles ficam muito felizes em saber que os dois estão se desenvolvendo melhor do que as outras vezes. No dia seguinte... Bruna vem com a resposta para Adriele.
- Bruna: Oi amiga, como está?
- Adriele: Oi bem e você? Falou com o pessoal ?
- Bruna: Sim e eles não conseguiram uma vaga !
-Adriele: Já sabia nunca consigo nada só por ser negra..isso devia acabar um dia pois somos todos iguais.
-Bruna: É verdade eu também penso assim.
           Bruna e Adriele vão para a rua sentar, enquanto isso Pedro e Gabriel brincam de carrinhos, mas na verdade Pedro queria mesmo era jogar bola. Só tinha um problema os garotos não deixavam ele nem sequer chegar perto da quadra.
-Pedro: Eu odeio o racismo, isso é uma palhaçada
- Gabriel: É mesmo eu acho que tem muitos jeitos de acabar com isso, mas como ainda somos pequenos não podemos fazer nada para mudar
             Joana trabalhava muito e num certo dia deixou uma bandeja de copos cair no chão sem querer. Sua patroa logo que viu começou a gritar muito com ela !
-Patroa: Meus copos, sua pobre olha oque você fez ? Eu ganhei de casamento 
-Joana: Desculpa foi sem querer eu juro. posso pagar ?
-Patroa: Fique quieta nem 10 casas igual a sua pagam esses copos!!
             Joana ficou em silêncio e começou a juntar cacos. Depois quando o patrão chegou a patroa correu a contar..
-Patroa: Amor, você não vai acreditar o que essa pobre burra fez!
- Patrão: Fale meu bem ?
- Patroa: Ela quebrou os copos novos que a mamãe nos deu de casamento!
-Patrão:Não acredito além de pobre e negra é burra !
- Patroa:Nem me fale só estamos com ela até hoje por não ter outra senão ......
             Na hora de Joana ir embora e receber seu pagamento, recebeu a noticia de que iria ser despedida..Ela fica muito mal e acaba recebendo só metade do seu salário, Ela sai chorando e vai para casa, chegando lá vê Pedro e Adriele sorrindo e brincando então volta a sorrir também. Na hora de dormir conta ao marido o que aconteceu ,e seu marido tenta consolar ela ,mas não consegue pois logo vem a noticia também de que a RGE iria cortar a luz deles . Os dias passam e tudo vai ficando cada vez mais difícil ,as crianças sofrendo muito bullying ,e os dois sem trabalhar já estavam começando a ficar sem nada dentro de casa . Muito segredo entre os dois ,as crianças começaram a desconfiar que havia algo errado ,e então acabaram descobrindo ,ficaram muito tristes e queriam a todo custo ajudar os pais. Tudo foi resolvendo aos poucos.... Os anos passando ,as crianças foram crescendo ,aos poucos eles iam acabando com o bullying . Adriele que tinha o sonho de ser bailarina ,conseguiu entrar para uma escola ,e tornou-se uma grande bailarina famosa ,e cada vez mais dando orgulho para seus pais . Pedro que sonhava em ser jogador de futebol ,ainda não tinha realizado seu sonho ,mas nunca desistia .. ..
          Um certo dia sua irmã chegou ,e contou uma novidade surpreendente !
 -Adriele: Vocês nem imaginam o que acabou de acontecer ,
- Pedro: fala...fala mana ?!
-Joana: fala logo filha ,estamos muito curiosos !
- Adriele: eu acabei de realizar mais um sonho meu ..acabei de comprar uma linda casa para nós morarmos .
-Paulo: nossa eu tenho os melhores filhos do mundo !!!
-Joana: é verdade ,é uma benção de Deus!
                  Então eles foram visitar a casa nova ,a casa ficava bem no centro do Rio de Janeiro ,num dos condomínios mais chiques da cidade ,onde moravam muitos negros e brancos .Quando chegaram notaram a presença de pessoas brancas ,e acharam que iria começar tudo de novo,mas Adriele sabia como eram e conhecia algumas pessoas de lá.
 -Joana:filha ,aqui tem muitas pessoas brancas ,acho melhor nós ficarmos no nosso cantinho,para não passarmos por tudo aquilo de novo .
-Paulo:é mesmo minha filha você tentou ajudar .
-Adriele:calma ..calma gente ,vocês nem deixaram eu falar ,aqui só mora gente do bem ,assim como a gente .!
     Então ,eles foram conhecendo o pessoal e se enturmando . duas semanas depois eles se mudaram para o condomínio ,todos muitos felizes .. A partir daquele dia ,não sofreram mais bullying ,pelo contrário ,só foram felizes e felizes . fim !!!
Em busca da felicidade é grande e é o titulo
                               Fim 

Roteiro 3 - Turma 81

  • Conversa iniciada - Quinta

  • UM MUNDO DIFERENTE Uma jovem chamada Gabriela,que chega em uma escola nova, acaba encontrando um mundo totalmente isolado. Os colegas de aula começaram a fazer o famoso bullying,com ela ,um mundo totalmente sofrido isolado de tudo e de todos,ela já tivera uma semana na escola,teve uma priva surpresa,e Gabriela tirou a melhor nota, e dali em diante ela começou a sofrer todos os dias. Ela não aguentava mais risadas,deboches,desaforos,e seus colegas sempre soando com ela, então até que ela desistiu da escola e parou de ir ... Os dias passaram ,e o garoto chamado Henrique, que ria da cara de Gabriela, ficou se perguntando por que ela não estava mais indo, até que resolve visitá-la para ver o que aconteceu,mas foiescondido dos amigos, não queria que ninguém soubesse.
    Chegando lá encontrou Gabriela chorando e entrou na casa dela,ali ficaram conversando por horas,e com aquela conversa conseguiu convencer Gabriela a voltar para a escola. No outro dia ela vai para a escola e tenta agradecè-lo, mas ele a esnoba,mas quando a noite ele vai até a casa dela e pede desculpas,diz que não tem coragem de falar com ela na escola,ela o perdoa e ele começa a ir todo o dia na casa dela,e sempre com conversas maravilhosas. O tempo foi passando e Henrique acabou se apaixonando por Gabriela, eles então começaram a namorar e dali um grande amor. Podemos ver que na vida é tudo possível, que aquela garota que não tinha amigos,que sofria bullying na escola, hoje está com aquele garoto que a fazia chorar, ele agora todos os dias tenta fazê-la feliz, tentando esquecer daquele tempo que fazia ela sofrer e como a união dos dois conseguiu mudar a cabeça dos seus amigos e a cabeça de Henrique e eles nunca mais fizeram bullying com a Gabriela e nem mais outra pessoa. FIM

Roteiro 2 - turma 81


    Era uma vez, uma garota chamada Qui yue, que estava completando seus 15 anos, convidou só quem ela achava que estava á sua altura e que fossem parecidos com ela: ricos, populares e que se vestissem com as melhores roupas.                                                                                                                

       Pouco antes da festa uma mulher de preto foi caminhando até ela e entregou um anel que realizaria apenas 1 desejo não acreditando ela jogou o anel fora.
        Depois de sua festa ela muito cansada foi para seu quarto, quando abriu a porta viu o anel em cima da cama ela ficou assustada ao ver o anel, logo pensou que era verdade o que a mulher havia lhe dito, pegou o anel de cima da cama junto ao corpo e desejou.                                             
--- Eu desejo que meu aniversário dure para sempre.                                             
     Ao abrir os olhos viu que seu desejo não tinha sido realizado, então foi dormir.
      E no outro dia ao acordar viu que estava em outro lugar, surpresa piscou os olhos à procura de seu quarto mas nada aconteceu, ela andou e andou procurando uma saída daquele mundo diferente e estranho. Sentou  debaixo de uma árvore  e sem perceber adormeceu.
      Ao  acordar viu que não era apenas um sonho, e assustada ao ver que  havia duas criaturas observando de uma forma estranha.
--- Quem são vocês ? perguntou Qui yue.
--- Sou Yumi. A garota respondeu.
--- E  eu sou o Nathan. Disse o menino que  era meio gato.
--- Mas quem é você? Perguntou Nathan
---E  de onde vem ? Perguntou Yumi
---Você é estranha! Diz Nathan
       Assustada Qui yue correu floresta a dentro, mas no caminho  esbarrou com a mulher de preto que havia lhe dado o anel, Qui yue confusa foi logo perguntando.
--- Qual o motivo de eu estar aqui neste mundo?
      A mulher de preto responde rapidamente
--- Esse foi o seu desejo querida.
--- Esse não foi o meu desejo. queria que o meu  aniversário durasse  para sempre, esse foi o meu desejo!
---Como posso voltar para casa?
A mulher com um sorriso no rosto respondeu.
--- Siga sempre reto nesse caminho e você vai chegar no palácio da rainha que poderá te ajudar.
      Qui yue depois de caminhar muito chegou em um palácio a onde logo foi entrando, Qui yue viu uma elegante mulher sentada em um grande trono, que com certeza era a rainha e ao lado  estava a mulher de preto com quem ela esbarrou no meio da floresta.
        A mulher tirou capa do seu rosto e Qui yue notou que a mulher da floresta era a mesma que lhe dera o anel mágico em sua festa.
Qui yue foi logo perguntando com uma cara assustada.
---O que você esta fazendo aqui? Pergunta Qui yue.
---A fada Angel Dark trabalha pra mim. Respondeu a rainha com uma cara séria.
         Qui Yue ainda assustada, mas um pouco mais tranquila. Por que ela  acha que teria alguma chance de ir para casa.
--- Você pode me ajudar majestade a volta para casa? Qui Yue perguntou para a rainha.
--- Porque eu iria te ajudar você não vai me dar nada em troca. E você é bem diferente de mim sou bem mais bela e elegante que você! Falou a rainha Ester.
Qui yue falou logo.
--- O que você quer em troca para me mandar de volta?
      A rainha respondeu com um sorriso no rosto.
--- Quero sua cabeça!
Nathan e Yumi apavorados foram logo puxando Qui Yue para fora do palácio e ao longo do caminho.
       Viram Angel Dark entrando nas casas para procurar Qui Yue e pensaram onde poderiam esconder Qui Yue para ela não achá-la.
        Nathan perguntou para Yumi --- será que eu devo contar o caminho para ela.
Yumi disse
--- Não sei se devemos, acho que ela já  aprendeu a lição.
          E  ao longo do caminho mostraram a saída daquele mundo. E nunca mais Qui Yue achou estar acima dos outros, como a rainha.
          Depois que saiu daquele mundo ela se lembrou tudo que tinha feito com as pessoas.
          Qui yue pediu perdão a todos que ela tratou mal.
          Qui Yue prometeu pra ela mesmo que  nunca ia mais ser daquele jeito com ninguém. Por tudo que ela viu lá naquele mundo fez ela pensar muito sobre as coisas que tinham acontecido lá.
           Depois ela começou a ser legal com todos ao redor dela e não tinha mais preconceito com  as pessoas. E ensinou os outros a tratar todos da mesma forma sem diferença de cor, estilo, ou raça.
          Ela quando tinha festa convidava todos, sem exceção .
          Ela voltou ao outro mundo lá. ensinou para todos que não tinham que ter medo da rainha e deviam enfrenta-lá .
          Até Angel Dark mudou seu jeito e enfrentou a rainha. todos naquele mundo começaram a se ajudar mostrando que todos juntos chegam onde querem mesmo sendo diferente.

          Angel Dark foi no mundo da menina que ela causou problema para ver como ela ia andando e pedir desculpas. Qui Yue quando viu a Angel Dark na casa dela foi logo perguntando como uma cara assustada.
--- Porque você está aqui de novo Angel ?
--- O que você quer ?
Angel Dark foi logo falando .
--- Eu vim te pedir desculpas por te botar naquela enrascada toda. Mas vai dizer foi uma aventura ? E deu pra ver que você aprendeu muito e mudou, depois que voltou daquele mundo !
     Qui Yue pensou um pouco e com um sorriso  falou .
--- Claro foi muito legal, mas não quero ser mais daquele jeito nunca mais com ninguém e nem ir pra outro mundo onde alguém queira minha cabeça.
      Qui Yue não se aguentou e perguntou para Angel como estava lá no mundo dela e se a Rainha  tinha mudado seu jeito de ser.
      Qui Yue perguntou se Angel podia levá-la pela última vez lá no mundo dela .
      Angel Dark ficou em silêncio por alguns minutos mas falou.
--- Sim quantas vezes você quiser para nos visitar .
      Chegando lá elas andaram muito até chegar na casa de Nathan. Ele com uma cara alegre foi  logo perguntando.
--- O que você está fazendo aqui Qui Yue de novo?
      Qui Yue sorrindo pediu para Nathan chamar Yumi porque estava como saudades deles .
       Yumi chegando lá foi logo abraçando Qui Yue. Yumi logo falou.
--- Pensei que tinha se esquecido de nós. Mas que bom que esta você está aqui.
       Horas depois tinha uma carta na porta dizendo que a Rainha Ester estava convidando-os para uma festa no palácio dela . E esperava que todos fossem na festa.
Eles estranhando pensaram um pouco e Angel falou.
--- O que custa tentar ir lá na festa dela. Ela pode estar querendo mudar seu jeito frio com as pessoas.
      Nathan achou uma boa ideia. Ele olhou para Yumi com uma cara perguntando.
--- Como vai ficar Qui Yue. Ela vai conosco na festa ?
      Yumi respondendo rápido.
--- Mas é claro onde ela vai ficar? Quem vai cuidar dela ?
---Nathan você é muito burro.
Angel para termina com a discussão disse.
--- Vamos gente não quero chegar tarde .
Quando chegaram lá a rainha Ester foi logo cumprimentando todos.
--- Oi Qui Yue como você está ?
--- Me desculpas por tudo que eu fiz para você !
Qui Yue com um sorriso no rosto disse.
--- Não dê bola nesse mundo, eu aprendi muita coisa com vocês.
--- Deu pra ver que você mudou não guarda rancor do que eu fiz.
--- Eu mudei muito isso que fez eu enxegar as coisas que eu fazia com ou outros.
Angel com um sorriso disse.
--- Todos mudaram  até eu, você e Qui Yue. Nos tornamos melhores.

Eles se divertiram a noite toda dançaram, riram, conversaram um monte até acabar a festa. Horas e horas passaram, Qui Yue se lembro que tinha que voltar para casa. 

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Relações ecológicas - Webquest

Essa é a última webquest para as turma da EJA, discute as relações de interações entre os seres vivos nos diversos biomas do planeta.
"Tá facim,facim", é só começar a fazer!

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Webquest EJA 5

 As webquests são um achado!

 Falta de tempo e imprevistos dificultam a vida de um professor quando chegamos nessa etapa do ano letivo, então, aulas à distância que já trazem em seu boje textos leves e adequados economizam tempo e preocupações. Dessa forma, mais uma Webquest sai rapidinho do forno:
https://sites.google.com/site/cienciasnapratica/

 Dessa vez, para o pessoal da EJA pesquisar, discutir e analisar as vantagens (?) e prejuízos do envolvimento com lícitas e ilícitas.

Mesmo que você não pertença às minhas turmas de EJA, não "se avexe", entre na brincadeira e se divirta respondendo a essas questões na internet!

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Roteiro 1 turma 83

Um ser humano (Schneider) entra em sua nova casa na parte mais reclusa de uma vila.
CORRETOR: Ótima escolha senhor, ótima escolha! Essa é uma ótima casa realmente! A localização, a vista... ótima, ótima!
SCHNEIDER: Realmente, a localização é ótima. Meu trabalho requer muita concentração, e o silêncio total daqui é perfeito.
CORRETOR: É, é... é. É um alivio ter finalmente encontrado um comprador. Passei muito tempo procurando por alguém interessado após a saída repentina dos três ultimos moradores. Mudanças em sequência assim sem explicação tendem a afugentar as pessoas.
SCHNEIDER: Sem explicação?
CORRETOR: É, a... NOSSA OLHA A HORA! Eu preciso ir. Espero que aproveite muito bem sua nova casa, boa sorte!
O corretor corre até seu carro, dá partida e some de vista.
Schneider entra na casa e começa a arrumar suas coisas.
Horas depois ele esta em seu escritório digitando quando ouve um barulho estranho e fala consigo mesmo, alarmado:
SCHNEIDER: Estou sentindo uma treta.
Schneider levanta de seu assento e começa a andar pela casa a procura da fonte do barulho.
Quando abre a porta do banheiro, ele encontra uma criatura sentada no vaso com uma aura branca em volta de si, com pernas peludas e um jornal nas "mãos".
FANTASMA 1: Ô cara, não viu que ta ocupado não? Não sabe bate ô mané! Seu moscão bocaberta! Espectro branquelo insiguinificante!
SCHNEIDER: MAS QUE PORR... CARIA É ESSA?!
Fantasma 3 entra na cena:
FANTASMA 3: Nossa! Mais um se mudou pra cá? Esse cheira pior que o antigo! Parece papel higiênico, aposto que também é fácil de PICAR!
Schneider olha para os dois sem emitir uma palavra.
FANTASMA 2: Mas que soera é essa? Opa, nofo inquilido! Temos um nofo brinquedo acora.
Schneider olha para eles assustado tentando decidir o que fazer.
FANTASMA 1: Será que dá pra parar com essa barulheira? To querendo ler meu jornal!
Schneider olha para as criaturas e sai correndo com o coração na boca.
No dia seguinte, Schneider tenta escutar a conversa das criaturas:
FANTASMA 2: Aquele franguinho mal-assado ta no nozo terretoreo, vamo soa ele.
FANTASMA 3: E ele tem... Cabelo? Aquilo parece uma palha fedida!
FANTASMA 1: Ei, não é ele ali?
SCHNEIDER: O que são vocês? O que vocês querem aqui?
FANTASMA 3: O que VOCÊ quer aqui meu bein?  HMMMM?
FANTASMA 1: Cara você cometeu um erro vindo aqui, agora você não vai sair daqui vivo. HAHAHAHA
Nos dias seguintes Schneider sofre todo tipo de opressão possível pelos fantasmas: não consegue dormir, recebe trotes falando sobre sua mãe, interrupções enquanto atendendo aos chamados da natureza e tem a sua comida voando e sendo jogada fora.
Certo dia ele decide bolar uma maneira de expulsar os fantasmas de lá. E tem uma grande ideia: Chamar os caças fantasmas.
Ele vai até o telefone e liga para o numero que esta escrito na agenda.
SCHNEIDER: Alô, eu gostaria de contratar os caça fantasmas. Estou tendo um certo problema na minha casa que precisa ser resolvido urgentemente.
VOZ DO OUTRO LADO DO TELEFONE: Cara, os caça fantasmas é só um filme, idiota! HAHAHAHA - diz o fantasma 1, do outro lado da linha.
Schneider daí então passa os dias cada vez mais determinado a expulsar os fantasmas de sua nova casa.
Cada dia mais oprimido pelos fantasmas, não podendo trabalhar ou sequer viver sua vida em paz, ele entrou em depressão e pediu de joelhos por uma trégua aos fantasmas, a qual eles negaram entre risos.
Certa noite, enquanto se lamentava em seu quarto, uma nuvem de glitter aparece, e dela sai um cara suspeito.
CARA: Minha mãe tá ocupada hoje. Ela me mandou pra resolver suas tretas.
SCHNEIDER: Quê?
CARA: Sua fada madrinha, mané. O que aconteceu?
SCHNEIDER: O que diabos?!
CARA: Fala seus problemas logo que eu quero voltar pra casa e terminar minha pizza.
SCHNEIDER: Uh... ok... é... tem umas criaturas na minha casa, será que você pode... fazer alguma coisa... e tal?
CARA: Olha, seus problemas não vão se resolver com uma varinha de condão. Até porque eu nem tenho uma varinha de condão. Só uso a da minha mãe, e eu esqueci ela em casa, e se eu voltar agora de mãos vazias minha mãe me esgana. Então é melhor a gente começar a raciocinar e pensar num plano pra tirar eles daqui antes do amanhecer.
Schneider e o Cara passam um bom tempo pensando e tentando encontrar uma solução para o problema, até que, depois de horas pensando, eles bolam um plano brilhante.
SCHNEIDER: A gente podia inverter a situação...
CARA: PERA! Tive uma ideia genial! Vamos inverter a situação!
SCHNEIDER: FOI ISSO QUE EU DISSE!
CARA: Detalhes, detalhes. Vamos fazer o seguinte...
Schneider e o Cara combinam um plano e em seguida se direcionam para a cozinha.
Lá, eles bolam várias maneiras de ridicularizar os fantasmas, e então se escondem e esperam eles aparecerem e cairem em suas armadilhas e insultos.
FANTASMA 2: Gadê aguele bané, eu breciso dum zago de bancadas.
FANTASMA 1: Quieto, imbecil. Esse lugar cheira a treta.
FANTASMA 3: AHHHHHH! CARA, RATOS!
FANTASMA 2: Dão foi aguele bicho gue madou a gente guando a gente era fifo-
FANTASMA 1: CARA CORRE CORRE!! COOOORREEEE!!!
FANTASMA 3: GAAAAAAAAH!!
FANTASMA 2: BÃÃÃÃEEEEE!!!
Os fantasmas saíram correndo e Schneider e o Cara, confusos, deixaram seu esconderijo.
Correram até a frente da casa, e se viram livres dos fantasmas e com o dia amanhecendo.
Virando-se para o Cara, Schneider diz:
SCHNEIDER: Valeu, cara. Obrigado por me apoiar nes-
CARA: Obrigado? OBRIGADO?! MINHA PIZZA DEVE TER ESFRIADO A ESSA HORA POR CULPA DA SUA LERDEZA! VOCÊ TEM IDEIA DO QUANTO EU ODEIO PIZZA FRIA?! É MELHOR QUE VOCÊ TENHA O DINHEIRO EM MÃOS, SE NÃO-
SCHNEIDER: Peraí cara... dinheiro?
CARA: O que, você achou que o serviço era de graça? O pagamento. Agora. Na minha mão. Playboy.
Schneider tira a carteira de seu bolso, pega uma quantia de dinheiro e entrega pro Cara.
SCHNEIDER: Toma, cara. Espero que seja o suficiente-
CARA: Me dá isso aqui.
O Cara arranca o dinheiro de Schneider e some em uma nuvem de glitter.

Schneider, agora livre dos fantasmas opressores, com ajuda de seu mais novo amigo, volta ao seu trabalho e é feliz.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Roteiro 1 - turma 81 - Um mundo diferente

    A história conta a vida de três gordos gângsters (GGs) que influenciavam dois magros a se tornarem como eles.
   Lester, CJ e Big Smoke moravam na parte mais pobre do Brooklyn. Paul e Diego na parte melhor. Eles estudavam na mesma escola. chamada Brooklyn School.
   Lester, CJ e  Big descobriram que são colegas de Diego e Paul, os dois são magors e sofrem preconceito por causa de sua magreza.
   Depois de três meses de aula começaram as gozações:
CJ - E aí paliteiros de dente?
Big - Olha, dois desnutridos!
Lester - Dois paus de virar tripa!
   Diego e Paul vão para um canto chorar, pois não aquentam mais tanta gozação, o bullying e as ameaças que sofrem  no escola.
    Um dia, Pâmela, mãe de Diego chega e conversa com eles e os meninos decidem que não vão mais dar bola para o que os GGs falam. Mas o preconceito dos GGs era muito grande, forte e ameaçador.
    Diego e Paul resolvem conversar  com os GGs:
- Ei, porque vocês não param com isso e viramos amigos?
CJ - Para serem aceitos no nosso grupo, vocês deverão passar por um teste: assaltar alguém!
Diego - Não vou fazer isso, quero ver quem vai me forçar!
Paul - Eu vou fazer isso, pois estou cansado desse bullying todo. Mas e aí? Vou assaltar sozinho?
   Os GGs ameaçam Diego:
- Se você não assaltar mataremos sua mãe. Então, os dois assaltam um senhor idoso. Depois disso, Diego escuta um grito de sua mãe e a salva ficando na frente do tiro, mas acaba morrendo.
   Após a morte de Diego, Pâmela conversa com os GGs e os convence a deixarem de ser gângsters. 

Webquest, a didática no ciberespaço!

Estou a mil, trabalhando com as Tecnologias de Informação e Comunicação com meus alunos, então por aqui começarão a aparecer roteiros elaborados por eles sobre discriminação e preconceito. Preparem-se que as turmas são boas e o material, com certeza, valerá a pena!
Para começar a brincadeira, assistam ao vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=LWBodKwuHCM


Editar para quem quiser se divertir fazendo a atividade, é só acessar a Webquest 

terça-feira, 30 de abril de 2013

Feliz aniversário Nenê Botelho!


     Hoje, meu querido avô Nenê estaria fazendo 102 anos. Passei todo o dia pensando nele e não poderia deixar de prestar essa homenagem.

   Um verdadeiro "homem de bem", meu avô, Nenê Botelho era uma pessoa ímpar. Fui da geração de netos que teve a sorte de conviver com ele: acordar nas manhãs ensolaradas de Presidente Venceslau ouvindo as músicas caipiras no radinho AM, aproveitar natais e "anos novos" em família cheios de alegria, paz e víspora, ser beliscada nas pernas por suas "formiguinhas", gritar " paaara vô!" e ouvi-lo responder - com a maior cara de pau- "Que foi? Não tô fazendo nada!".
    Acredito que todo avô deva ser especial.... mas, O MEU, era o MÀXIMO! Em tempos em que  amor e carinho são confundidos com presentes caros, meu querido Nenê Botelho me ensinou o valor dos brinquedos simples, construía com sucata, para os netos se divertirem: balanços de tábua na velha mangueira do sítio, berços de boneca com caixotes e cestos de vime, chapéus de baldinhos de areia, cavalinhos de troncos de árvores....
        Tantas lembranças boas são difíceis de organizar nesse momento, com ele descobri os prazeres de "virar Hulk" e "rasgar uma camisa de abotoamento com velcro". Com ele divido meu amor pela natureza e a paixão pela cor verde em todos os tons. Com ele aprendi que não há nada no mundo mais importante que uma família unida. Com ele aprendi a dar boas risadas e contar belas histórias. Com ele aprendi a Oração de São Francisco:
        Se avó é mãe com açúcar, meu vovô Nenê era o próprio açúcar! Seu coração tão grande não dava conta de tanto amor e pediu pra descansar em um dia de março de 1979.... Desse dia não me lembro, lembro do dia anterior quando brincamos e rimos a mais não poder no sofá da sala da minha casa. Esse era o MEU AVOZINHO QUERIDO!
          Sei que cada conquista profissional ou familiar minha leva um pouco do DNA de Nenê Botelho, e a ele agradeço a pessoa em que me transformei....
           Na memória, guardo cenas de um pequeno sítio no Parque São José onde nos reunimos sempre que havia oportunidade.... pequeno no tamanho, mas com uma árvore frutífera para cada neto, a minha era uma amoreira que ficava encostada no muro....